segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Dia do Parto.

   Assim que chequei no hospital minha internação foi feita sem perguntas, apenas confirmaram o nome do meu médico. De imediato fui encaminhará para o quarto onde seria realizado meu parto, era um quarto pequeno porém muito bem equipado inclusive com televisão, telefone, internet e banheiro.
   Durante todo o tempo tive direito a um acompanhante, meu esposo pode ficar comigo em todos os momentos o que para mim foi imprescindível já para ele não sei se foi a melhor opção... O parto normal foi um tanto quanto assustador para ele, e até hoje ainda não o convenci de ter o segundo filho. Após algumas poucas horas sentindo as contrações, tive vontade de desistir do parto normal, e perguntei a meu médico se seria possível, e ele prontamente me disse que não, as cesarianas são realizadas apenas se forem agendadas previamente ou mediante uma emergência.
   Perto do meio dia, meu obstetra me avisou que por volta das três horas da tarde iria me liberar a anestesia, não poderia fazer antes para não atrapalhar na dilatação, então minha opção era aguentar firme. Me lembro que senti muita sede e calor, mas a única coisa que me davam eram pequenos cubos de gelo, para me ajudar a refrescar um pouco e também colocaram um imenso ventilador no quarto, já que o ar condicionado não estava me ajudando muito. Eu não pude me alimentar durante o dia todo, porém meu acompanhante foi muito bem tratado.
   Quando finalmente chegou às três horas da tarde, a anestesista me aplicou a epidural, foi aí que minha bolsa acabou de romper, por conta da posição que tive de ficar para receber a anestesia. A essa altura estava com 5 para 6 centímetros de dilatação, e o desejado eram entre 9 e 10, então ainda me restavam algumas horas de espera, porém, com a anestesia se tornou fácil esperar, finalmente consegui dormir e descansar um pouco. Após cerca de três horas o efeito da anestesia começou a passar e então pedi para receber mais e fui atendida. 
   Por volta de oito da noite o médico me avisou que iríamos começar o parto as nove e assim foi feito. As nove horas a equipe de médicos e enfermeiras estavam todos à postos e comecei a empurrar o bebê. Mesmo durante o parto, tive a presença de meu marido, que me ajudou em tudo que pode, principalmente com o apoio moral que tanto precisava.
   Depois de dezesseis horas e meia, nosso pequeno príncipe nasceu. Meu esposo cortou o cordão umbilical e finalmente pudemos ouvir o chorinho e ver o lindo rosto de nossa nova razão de viver. O pequeno Bryan chegou ao mundo no dia 30 de Julho de 2015, as 22:35, pesando 3.295 kg e 50,8 cm.

(Fotos do arquivo pessoal) 

 

 



   


1 comentários:

pensa na sorte desse menino, agora terá uma boa educação e saúde de qualidade, parabéns pelas conquistas joyce, que seu neném tenha muita saúde...

Postar um comentário

Compartilhe

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More